Análise de dados de marketing: Entenda como funciona


O mundo atual não seria nem metade do que é se não fosse a era da informação, todo avanço de TI (Tecnologia da Informação) e as demais ferramentas que surgem em torno disso. Uma delas é a análise de dados, que pouca gente domina no Brasil.

De fato, raros são os empresários ou gestores que sabem exatamente o que é a geração de dados, como captá-los e ordená-los de modo a racionalizar os processos de uma empresa. Daí que a fase da análise seja igualmente negligenciada e mal compreendida.

Imagine uma grande corporação que seja fabricante de etiquetas adesivas, com atuação em vários países e continentes diferentes. Como afinal ter controle de todos os processos, da cultura organizacional, das metas e métricas?

É com isso que a geração e análise de dados tem a ver. Portanto, não se trata de um “luxo” ou algo secundário, como alguns poderiam pensar, mas de um grande diferencial que pode ser a razão do sucesso ou do fracasso de um negócio que queira crescer e escalar.

Lembrando que esse esforço tem duas faces, sendo a primeira a do monitoramento, que ajuda a acompanhar cada ação que está sendo apreendida. Porém, não é só isso, mas também a questão dos subsídios necessários para a tomada de decisões estratégicas.

Por exemplo, se alguém da área de fornecedores de produtos para pet shop decide expandir e começar a montar a infraestrutura necessária para isso, a quantidade de dados, informações, cenários e conjunturas que entrarão em jogo será enorme.

Nesse sentido, quem faz a melhor análise de dados é que abre as melhores portas, aproveita as melhores oportunidades e se consagra em seu segmento. Também por isso decidimos escrever este artigo, trazendo aqui as informações mais úteis da área.

Além disso, vamos explicar como a análise de dados aplicada ao marketing é fundamental, como funciona cada etapa desse processo e, enfim, como customizar todas as dicas para o seu próprio negócio, seja ele qual for.

O mais bacana é que hoje a análise de dados de marketing evoluiu tanto que ela realmente pode ser aplicada a qualquer nicho de mercado, tanto na área de venda de produtos como na área de serviços, como quem vende ou instala alarme para casa.

Então, se você quer compreender de que modo exato tudo isso é possível, tirando os melhores resultados de uma metodologia que pode virar a chave da sua empresa, basta seguir adiante.

Análise de dados: o que é?

Como vimos, muitas empresas cometem o erro básico de nem sequer coletarem dados, jamais implementando fórmulas, indicadores e programas que cumprissem esse papel.

Ao mesmo tempo, há quem saiba fazer isso, porém não sabe o que fazer com os dados que coleta. Não é incomum esse tipo de gestor ou empresário cair nos mesmos problemas que o primeiro grupo de pessoas cai.

Portanto, alguém como uma empresa de comanda eletrônica para restaurante precisa entender a organicidade dessa metodologia, sob o risco de não conseguir os resultados almejados.

Basicamente, as principais fontes de coleta de dados são as seguintes, seja qual for o segmento da empresa ou o setor interno do negócio:

  • Ferramentas de automação;
  • Planilhas e documentos internos;
  • Plataformas de gestão;
  • O registro de líderes e gestores;
  • E-mails, senhas e logins;
  • Ações e campanhas de marketing;
  • Métricas e números da área;
  • Data Driven interno e externo.

Enfim, tudo aquilo que forma o famoso Big Data, que é o banco de dados de uma corporação, que é a base de qualquer cultura organizacional bem definida. Isso é a base da verdadeira análise, obtenção e tratamento de dados.

Hoje em dia ainda existe a Inteligência Artificial, que vem como reforço para lidar com bancos cada vez maiores e mais complexos de informações, especialmente no caso do marketing, que lida com a imprevisibilidade do comportamento do consumidor.

Com ela, inclusive, é possível projetar cenários, encontrar tendências e compreender qualquer firma a partir de uma diversidade maior de perspectivas, aprofundando a análise de dados no sentido explorado aqui.

Isso tudo deixa claro o que é a análise de dados de marketing, bem como a sua importância para todo e qualquer negócio. Agora vamos aprofundar ainda mais como funcionam suas etapas e modos de aplicar no próprio negócio.

O marketing e os dados

Acima mencionamos o Data Driven, que nada mais é do que o esforço de racionalização do marketing, como modo de operar segundo um marketing orientado por informações e dados, e não apenas por “achômetros” ou “feelings”.

É bom que um empresário ou gestor tenha esse “sentimento” de como as coisas se dão em seu segmento, até para estar sempre à frente da concorrência e compreender a fundo as expectativas e perfis dos clientes.

Contudo, essa não pode ser a última instância dos seus esforços, que uma hora ou outra vão precisar, justamente, ser guiados por dados racionalizados. Podemos ter cinquenta anos na área de etiquetas para pneus, porém o mercado muda a todo o momento.

Aqui é que entram os conceitos de funil de vendas, jornada do cliente e todo o esforço de analisar dados sobre as etapas que o visitante precisa traçar para chegar a ser um lead. E, depois de lead, um cliente satisfeito, disposto a indicar e defender a marca.

Por isso, o primeiro passo desse esforço é coletar dados e definir os objetivos para fazer isso. Ou seja, a dimensão real vem primeiro, como base do esforço, e depois as expectativas da marca, que nunca podem se sobrepor à realidade do mercado.

Sobre objetivos e coletas

Vamos imaginar que uma empresa queira compreender melhor o que atrai os perfis da sua persona, isto é, os seus futuros clientes. Esse é o objetivo e a coleta de dados deverá partir daí, como fazendo enquetes, quizzes e campanhas de aproximação na internet.

Por exemplo, “Responda um questionário sobre papel para sublimação e ganhe um lote de papéis”. Essa é uma abordagem possível, que coloca a realidade da estratégia na frente de tudo, gerando maior eficiência em termos de dados.

Já a coleta pode se dar por meio de recursos e plataformas digitais, que ainda têm uma vantagem enorme em termos de análise e comparação. Trata-se do poder de gerar relatórios detalhados e rotineiros, com alta carga de segmentação.

Tudo isso agrega um valor enorme ao esforço de análise de dados de marketing, tornando os objetivos claros e racionalizados, além de fazer da coleta algo muito mais eficiente do que um simples processo de acúmulo de informações desconexas.

O poder do planejamento

Outra etapa fundamental da análise de dados é a do planejamento, que alguns confundem com objetivos. Porém, uma coisa é ter um objetivo (como entender o cliente), outra bem diferente é saber quem vai gerir os dados em torno disso.

Portanto, é preciso definir a origem dos dados, delegar as respectivas funções para pessoas específicas, de setores que serão responsabilizados por isso, como o BackOffice na geração de lead de uma fábrica de relógio de ponto homologado.

Além disso, também faz parte do planejamento desenhar os processos de análise de dados e até mesmo a geração de relatórios internos da empresa (que são bem diferentes dos relatórios de resultados que vimos acima).

O papel dos indicadores

Hoje em dia todo gestor já deve ter ouvido falar em KPI (Key Performance Indicator), que são os Indicadores-Chave de Performance.

Mas aqui a aplicação deles deve ser inteiramente voltada para o marketing. Lembrando que isso não pode ser genérico, mas personalizado para cada objetivo ou etapa de um planejamento.

Por exemplo, uma landing page focada em divulgar uma solução como a de contador de fluxo de pessoas. Ela precisa saber quantas pessoas acessam a página, quantas abandonam, quantos cliques o link principal recebe e daí em diante.

Portanto, esses seriam os melhores indicadores-chave de performance ou desempenho, o que facilita e até potencializa a análise de dados.
Automatização e tecnologia

Por fim, hoje em dia não é possível falar de análise de dados e Tecnologia de Dados em geral sem mencionar o poder que a tecnologia agrega a esse universo, portanto esse tipo de implementação se tornou uma etapa essencial.

Um exemplo clássico do setor de marketing são os softwares CRM (Customer Relationship Management), que fazem a Gestão de Relacionamento com o Cliente.

Com eles é possível ampliar o poder de Big Data do comercial, criando históricos digitalizados para cada novo lead. Além de proporcionar margens de atuação para os envolvidos, como por meio da Computação na Nuvem.

Conclusão

Enfim, o universo da análise de dados de marketing revela uma frente incrível e indispensável de investimento moderno, que pode revolucionar
qualquer empresa.

Em um mercado cada dia mais competitivo e concorrido, com clientes que têm altas expectativas e níveis de exigência, ele se torna mesmo uma questão de sobrevivência.

Com os conceitos e conselhos que trouxemos aqui, certamente qualquer um vai poder entender o assunto, pôr as etapas em prática e melhorar seu próprio negócio.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.