Quais as tendências para o e-commerce em 2022


O e-commerce cresceu muito nos últimos anos, sendo que sempre foi um tipo de negócio que atrai muitos empreendedores. Por meio dele, as pessoas podem ter o seu próprio negócio, sem precisar fazer altos investimentos.

Mas não são só os empreendedores que se beneficiam com esse modelo de negócio, os consumidores também saem ganhando. Eles já perceberam que é muito mais vantajoso comprar pela internet, pagar um valor mais acessível e receber o produto em casa.

Para os vendedores, é a oportunidade de fazer negócio a qualquer hora do dia ou da noite, 365 dias por ano. Tudo isso sem gastar com despesas típicas de um ponto de venda, como aluguel, água, luz, entre outras.

Para os consumidores, é a chance de adquirir produtos de qualidade, com pagamento facilitado, com muita segurança e praticidade.

O e-commerce é uma tendência tão forte que, futuramente, ele pode substituir as compras em lojas físicas. Elas servirão apenas como um mostruário de produtos, e já existem empresas que funcionam dessa maneira.

Por isso, neste artigo, vamos falar um pouco sobre o crescimento do e-commerce e quais são as tendências desse negócio em 2022. Confira!

Crescimento do e-commerce durante a pandemia

Em 2020 o mundo precisou mudar muita coisa por conta da pandemia de Covid-19, que colocou em risco a saúde e a vida de muitas pessoas.

Para evitar a contaminação em massa e piorar a crise na saúde, muitas empresas precisaram fechar as suas portas. E boa parte delas adotou as vendas online como um meio de sobreviver.

Mas toda essa situação mudou o comportamento dos consumidores, que passaram a adquirir todo tipo de produto, como cesta básica de natal, pela internet.

De acordo com um relatório do site E-commerce Brasil, o comércio eletrônico registrou, em março de 2021, mais de 1,66 bilhão de acessos.

Dos 15 setores analisados, 10 tiveram um aumento de mais de 30%, destacando-se o setor de importados. Outros que mostraram um ótimo desempenho foram:

● Produtos para pets;
● Casa e móveis;
● Farmácia e saúde;
● Moda e acessórios;
● Comidas e bebidas.

O único setor que não apresentou crescimento mensal foi o do Turismo, devido aos impedimentos impostos pela pandemia.

O fato é que, devido à pandemia, houve o fechamento temporário das lojas, então, os consumidores viram no e-commerce uma maneira de continuar a comprar, desde itens essenciais até os considerados supérfluos.

Esse crescimento se destacou a olhos nus. Não é preciso ser um expert no assunto para perceber o quanto as vendas online se tornaram parte do dia a dia das pessoas.

Isso atraiu a atenção de muitos empreendedores, que perceberam que esse modelo de negócio possui exigências simples de abertura de empresa em São Paulo, mas com vendas altas e favoráveis.

Embora esse cenário seja muito positivo, ele também representa um aumento na concorrência. E aí surge a necessidade de se atentar às tendências do e-commerce para o próximo ano.

E é exatamente sobre isso que vamos falar ao longo do próximo tópico. Então, confira com a gente e não perca nenhum detalhe.

Tendências do e-commerce para 2022

Com os consumidores tendendo a comprar pela internet cada vez mais, e com todas as mudanças tecnológicas, o mercado do e-commerce vai passar por algumas mudanças.

Para que o seu negócio virtual continue competitivo e se destacando, é necessário se atentar às seguintes tendências para 2022:

Compras por voz

Existe uma modalidade de compra, conhecida como Voice Commerce, que nada mais é do que a realização de todo o processo de compra de produtos e serviços por voz.

Com isso, as companhias terão a oportunidade de aumentar sua base de clientes, garantir a satisfação dos consumidores e aumentar a retenção.

Ao passo que mais pessoas começam a usar o recurso de voz do aparelho para comprar e pesquisar qualquer coisa, como equipamentos para internet, mais elas vão se familiarizar com esses recursos.

Consequentemente, as marcas terão de se adaptar a essa nova realidade, oferecendo ao consumidor a possibilidade de fazer compras por voz.

Vender pelas redes sociais

Ninguém acessa as redes sociais com o intuito de comprar alguma coisa, mas geralmente, depois de pesquisarmos alguma coisa no Google e outros buscadores, pesquisamos alguma coisa do Facebook, no Instagram ou no YouTube.

A venda pelas redes sociais é uma forma de reduzir a jornada de compra e as possibilidades de abandono de carrinho.

Então, as compras feitas nessas plataformas, geralmente, não são planejadas. Por isso, elas devem ser vistas por uma empresa de consultoria em segurança do trabalho, por exemplo, como uma ferramenta para aumentar as vendas.

Mais do que isso, são sites que ajudam a melhorar a experiência do cliente. Mas para chegar a esse nível, você precisa se atentar a dois fatores.

Um deles é a otimização do e-commerce para os dispositivos móveis e checkout mobile friendly. Além disso, precisa integrar o e-commerce a um gateway de pagamentos.

Essa integração ao gateway evita que o cliente precise ser redirecionado a outras páginas, o que acaba por aumentar a conversão em vendas.

Inteligência artificial

A interação entre humanos e tecnologia está em alta, sendo que em 2022 esse recurso deve estar relacionado às plataformas e-commerce.

Para isso, um fabricante de carrinho de carga dobrável pode usar chatbots em suas estratégias de vendas digitais. Com isso, o consumidor finaliza sua compra, com a ajuda dessa tecnologia e com apenas alguns cliques.

Por meio de uma base CRM, o bot pode sugerir um produto, além de tomar decisões mais personalizadas, o que ajuda a otimizar a jornada de compra, e influencia, de maneira positiva, a decisão dos clientes.

Oferecer novos meios de pagamento

As mudanças nos hábitos de consumo fizeram surgir diferentes meios de pagamento. Hoje em dia, podemos contar com recursos como WhatsApp Pay, PIX, QR Code, carteiras digitais e pagamentos por reconhecimento facial.

As vendas pela internet são uma evolução, por isso, sua loja precisa oferecer os meios de pagamento mais modernos, além, é claro, dos mais tradicionais. É muito desagradável e negativo quando o cliente chega na etapa de pagamento e desiste por não encontrar uma opção viável.

Para resolver essa questão, uma confecção de uniformes, por exemplo, deve contratar uma subadquirente, que faz a integração com as adquirentes e permite o uso de diversas bandeiras.

Ao mesmo tempo em que o processo de conciliação de pagamento se torna mais complexo, mais fácil é o gerenciamento das finanças do negócio online.

Realidade aumentada

Cerca de 35% dos consumidores afirmam que comprariam muito mais pela internet se pudessem experimentar o produto antes. É exatamente por essa razão que a realidade aumentada (RA) é uma das maiores tendências do e-commerce para 2022.

Ela será muito usada pelos segmentos de moda e decoração, visto que tem a capacidade de melhorar consideravelmente a experiência de compra do consumidor.

Mas essa tecnologia também pode ser aplicada a outros setores, como um fabricante de etiquetas adesivas. O intuito é fazer com que o cliente possa “experimentar” o produto sem tocá-lo. Uma maneira de acelerar muito a jornada de compra.

Estratégias omnichannel

Entre as situações que têm levado o consumidor a perder a confiança no e-commerce estão os atrasos nas entregas dos produtos. Isso acontece porque a demanda está aumentando continuamente.

Entretanto, as estratégias omnichannel surgiram para tornar a jornada de compra mais consistente, em todos os canais de venda que a empresa utiliza.

Trata-se de oferecer ao consumidor mais flexibilidade e liberdade na hora de comprar, falar com a empresa, trocar um produto, dentre outras possibilidades. Por exemplo, uma pessoa pode ver uma roupa na loja física, experimentá-la e comprá-la no site para receber em casa.

Ainda, outra pessoa pode ver um produto no site, comprá-lo e retirá-lo na loja mais próxima, ao invés de esperar o prazo de entrega.

Um exemplo ainda mais complexo, é uma pessoa fazer um orçamento de abertura de empresa contabilidade por e-mail, agendar uma reunião com o vendedor pelo telefone, e fechar negócio pessoalmente.

As estratégias omnichannel permitem que você possa abrir um leque de possibilidades para se relacionar com seus clientes e oferecer a eles todo o respaldo necessário, em todos os pontos de contato com a marca.

Conclusão

2022 é logo ali, e ele promete muitas mudanças positivas para o comércio. Entretanto, engana-se quem acredita que com a pandemia sendo controlada, as vendas pela internet diminuirão.

Pelo contrário, trata-se de uma modalidade de compra e venda que foi acelerada pela pandemia, mas que também veio para ficar. Investir em e-commerce e aplicar a ele as tendências de 2022 é projetar um futuro de sucesso para o seu negócio virtual.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.